Adobe faz parceria com Google e acaba com Flash Player no Linux

Em pronunciamento a Adobe foi curta e grossa: plugin Flash Player no Linux só até a versão 11.2. Depois disso adeus Flash... como plugin da Adobe. É, o Flash Player acabará mas a tecnologia continuará nas mãos da Google.


Isso é mais uma grande jogada da empresa de Mountain View. Jogada que nunca poderia ser imaginada como ela foi, mas imagina as consequências. Agora a tecnologia Flash só estará disponível para o Google Chrome, pelo Pepper Plugin API (PPAPI). Chrome usa o Pepper para “anexar” a tecnologia em seu navegador, sem necessidade do plugin Adobe Flash Player.

O Flash é uma das mais terríveis tecnologias se tratando de interesse coletivo. Flash domina seu seguimento e sem ele, nos dias de hoje, a internet não é completa, não se tem uma experiência total. E algo tão importante na mão dos interesses comerciais de uma única empresa privada é loucura (muita loucura!). A bola foi cantada há tempos e parece que o campo de testes foi o Linux para desktops. Todo mundo consciente já sabia que mais cedo ou mais tarde os interesses comerciais iriam prevalecer e o lado mais fraco - consumidores - iria sair perdendo. Agora está tudo nas mãos da Google, que com certeza tem interesse no crescimento do Chrome a todo custo e da manipulação do mercado de acordo com seus interesses. Quem quiser ter um produto completo, como a Mozilla com seu Firefox, terá que usar a tecnologia Google em seu produto. Mozilla, por exemplo, já tinha dito que Pepper não estava em seus planos, afinal, para um fundação que tem como objetivo uma internet mais independente, ficar nas mãos de uma megaempresa não é algo mais inteligente que se possa querer.

Mas o resumo é esse. Até o HTML5 se estabelecer e ser o padrão da industria, livre e universal, temos que nos adaptar aos tempos de trevas que acabaram de chegar e torcer para que essa concentração de força de mercado nas mãos de uma empresa privada não prejudique os consumidores e o próprio desenvolvimento tecnológico, como aconteceu quando certa tecnologia detentora do mercado esteve nas mãos da Microsoft e seu Internet Explorer.


5 comentários:

  1. A verdade é que o Linux perdeu o suporte à Flash e não sabemos se o Flash vai mesmo morrer.
    O grande problema, é que essas grandes empresas é que são responsáveis pelo desenvolvimento tecnológico, e sempre puxam a sardinha para o seu prato.

    Olha só: http://news.cnet.com/8301-30685_3-57384129-264/st...

    Você acha que já não estão fazendo pressão e ameaças sobre a W3C?!
    Ou a W3C apoia o interesse das gigantes e atende seus interesses, ou eles podem muito bem passar a boicotar o HTML5.
    Por que, em tempos de HTML5, a Google abraçou o Flash desta forma?
    Querem manter o Flash bem vivo como moeda de troca contra a W3C.

    ResponderExcluir
  2. Sim. Mas é justamente pela integração com padrões universais (pra mexer com 3D, usa-se o WebGL) é que o HTML5 faz milagres. Adobe até tem uma ferramenta pra isso: http://info.abril.com.br/noticias/blogs/download-...

    ResponderExcluir
  3. [...] momento, de acordo com seus interesses comerciais, como aconteceu recentemente no mundo Linux. A parceria entre Adobe e Google fez a versão 11.2 ser a última disponibilizada em forma de plugin, passando as próximas versões [...]

    ResponderExcluir
  4. [...] momento, de acordo com seus interesses comerciais, como aconteceu recentemente no mundo Linux. A parceria entre Adobe e Google fez a versão 11.2 ser a última disponibilizada em forma de plugin, passando as próximas versões [...]

    ResponderExcluir
  5. na verdade a adobe acabou com o suporte ao flash praticamente ao mesmo tempo no android e no linux !! e engraçado que foi tb a estreia do flash já vindo pre instalado no windows 8 !!! coincidência ?? não , a culpa é da microsoft
    a google pediu para a adobe manter o suporte ao flash por causa do Chrome OS !!! sistema deles que é feito para a nuvem !!

    ResponderExcluir